Filmes

MOSTRA DE FILMES

“MÉMORIA EM MOVIMENTO”

Confira os filmes selecionados e a programação.


A Mostra de Filmes “Memória em Movimento” integra a programação da Semana Fluminense do Patrimônio desde 2013, exibindo filmes de curta, média e longa-metragem com o intuito de divulgar e promover o patrimônio cultural e natural brasileiro. A mostra se propõe a exibir filmes com temática específica, contemplando obras de ficção, animação e documentários que registrem reflexões sobre a memória e sobre a diversidade de expressões e manifestações do patrimônio material e imaterial brasileiro. Os filmes selecionados buscam divulgar a variedade desse patrimônio, de forma a revelar a mescla de origens e influências que constituíram nossa multifacetada identidade cultural.

Além da divulgação e promoção do patrimônio cultural e natural brasileiro, outro objetivo da mostra é dar maior visibilidade a produções que encontram pouco espaço nos circuitos habituais de exibição. Os filmes serão exibidos na Casa Ateliê Carlos Scliar em Cabo Frio entre os dias 10 e 12 de novembro e no Centro Cultural Justiça Federal no Rio de Janeiro entre os dias 15 e 19 de novembro.

V MOSTRA DE FILMES “MEMÓRIA EM MOVIMENTO”

10 a 12.nov | Casa Ateliê Carlos Scliar – Cabo Frio
15 a 19.nov | Centro Cultural Justiça Federal – Rio de Janeiro

PROGRAMAÇÃO

Cabo Frio

Casa Ateliê Carlos Scliar – R. Mal. Floriano, 253

10. NOV
19:00
Depois, o Inverno, 24’
A Noite dos Tempos, 61’
Debate após sessão

11.NOV
19:00
Juventude Coletiva, 13’
Torquato Neto – Todas as Horas do Fim, 87’

12.NOV
17:00
Tião, 14’
O Som dos Sinos, 70’

Rio de Janeiro

Centro Cultural Justiça Federal – Av. Rio Branco, 241

15.NOV
17:30
Cine Paissandu: Histórias de uma Geração, 15’
Resistência, 57’
19:30
O Som dos Sinos, 70’

16.NOV
17:30
Depois, o Inverno, 24’
A Noite dos Tempos, 61’
19:30
Torquato Neto – Todas as Horas do Fim, 87’

17.NOV
17:30
Tião, 14’
Onixêgum, Folhas que Curam, 50’
19:00
Santo Forte, 82’ (a confirmar)
Visita, 25’
Debate após sessão

18.NOV
17:30
O Cavalinho Azul, 85’ (a confirmar)
19:30
O Tablado e Maria Clara Machado, 76’

19.NOV
17:30
Juventude Coletiva, 13’
Santas, Usinas e Sonhos, 46’
19:30
Torquato Neto – Todas as Horas do Fim, 87’

TODAS AS SESSÕES SERÃO GRATUITAS

FILMES

A NOITE DOS TEMPOS (L)

 

Documentário, 2017, 61’, direção: Ricardo do Carmo
O documentário revela as transformações de Cabo Frio, uma das cidades mais antigas do Brasil, resgatando a contribuição dos povos formadores da cultura local: os saberes indígenas, as tradições portuguesas e a arte africana.

CINE PAISSANDU: HISTÓRIAS DE UMA GERAÇÃO (10)

 

Documentário, 2013, 15’, direção: Christian Jafas
Documentário sobre o cinema que formou a Geração Paissandu nos anos 60 e o impacto cultural e social desse período para a história do país.

DEPOIS, O INVERNO (L)

Documentário, 2017, 24’, direção: Lucas Müller
Gerson Tavares poderia ter estabilidade financeira e um bom emprego, mas foi além: buscou a Pintura e descobriu o Cinema. Sem dinheiro, percorreu meia Europa e apreendeu em Roma a sétima arte. Excluído do Cinema Novo no Brasil, produziu uma obra-prima: ‘Antes, o Verão’. Hoje aos 90 anos nos revela um pouco de sua história e obra.

JUVENTUDE COLETIVA (L)

 

Documentário, 2016, 13’, direção: Beto Waite
Um mapa audiovisual dos movimentos culturais e artísticos promovidos por jovens da zona norte e baixada fluminense do Rio de Janeiro. O filme discute o papel desempenhado por essas iniciativas em seus territórios, lugares em geral negligenciados, tanto pelo Estado, quanto pela iniciativa privada, como polos produtores de cultura.

O CAVALINHO AZUL (L)

Ficção, 1984, 85’, direção: Eduardo Escorel
Um garotinho põe o pé na estrada em busca de um velho cavalo que seu pai precisou vender. Ele vê, com os olhos da fantasia, o cavalinho azul, capaz de cantar, dançar e até voar. Baseado em peça teatral homônima de Maria Clara Machado.

O SOM DOS SINOS (L)

Documentário, 2016, 70’, direção: Marcia Mansur, Marina Thomé
Em Minas Gerais, toques de sinos anunciam e marcam o ritmo da vida dos moradores das cidades históricas: o tempo do trabalho, do descanso, da oração, da celebração. Os sineiros, personagens do alto das torres, aprendem como comunicar mortes, partos, incêndios, missas e horários sacros.

O TABLADO E MARIA CLARA MACHADO (L)

 

Documentário, 2007, 76’, direção: Creuza Gravina
A história do Teatro Tablado e de sua fundadora Maria Clara Machado contada por meio de 61 depoimentos de ex-alunos de diferentes gerações, como Marieta Severo, Malu Mader, Cláudia Abreu, Marcelo Serrado, Ernesto Piccolo, e tantos outros. O longa conta com material de arquivo e trechos de peças lidas e interpretadas pelos entrevistados, como “Pluft” e “O Cavalinho Azul”.

ONIXÊGUM, FOLHAS QUE CURAM (L)

 

Documentário, 2016, 50’, direção: Allan Pereh, Marcela Abreu
O documentário busca difundir e promover o empoderamento dos saberes de erveiros, benzedeiros e curandeiros por meio do registro da tradição oral e das práticas culturais relacionadas à cura pelas ervas e rezas no Município do Carmo no Rio de Janeiro.

RESISTÊNCIA (12)

 

Documentário, 2017, 57’, direção: Eliza Capai
Acompanhando as ocupações a prédios públicos e outras manifestações de rua que vem acontecendo recentemente no País, o documentário reflete sobre alguns dos temas centrais desses movimentos: educação, cultura, feminismo e mídia.

SANTAS, USINAS E SONHOS (L)

 

Documentário, 2016, 46’, direção: Phillip Johnston
Documentário sobre a ascensão e queda das usinas de cana-de-açúcar nas localidades de Santa Maria e Santa Isabel no estado do Rio de Janeiro.

TIÃO (10)

Ficção, 2016, 14’, direção: Clementino Junior
São Sebastião retorna à cidade que leva seu nome, e enquanto transita percebe que o Rio de Janeiro já não é mais a cidade maravilhosa.

TORQUATO NETO – TODAS AS HORAS DO FIM (12)

 

Documentário, 2017, 87’, direção: Eduardo Ades, Marcus Fernando
Torquato Neto vivia apaixonadamente as rupturas. O poeta piauiense atuava em múltiplas frentes – no cinema, na música, no jornalismo – e participou ativamente da revolução que mudou os rumos da cultura brasileira nos anos 60 e 70. Foi um dos letristas mais ativos da Tropicália, parceiro de Gilberto Gil, Caetano Veloso e Jards Macalé. Engajou-se na arte marginal, com Waly Salomão, Ivan Cardoso e Hélio Oiticica. Suicidou-se no dia de seu aniversário de 28 anos.

SANTO FORTE (L)

Documentário, 1999, 82’, direção: Eduardo Coutinho
Entre uma missa campal celebrada pelo Papa no Aterro do Flamengo e, meses depois, a comemoração do Natal, o documentário penetra na intimidade dos católicos, umbandistas e evangélicos de uma favela carioca. Cada um a seu modo, eles crêem na comunicação direta com o sobrenatural através da intervenção de santos, orixás, guias ou do Espírito Santo.

VISITA (L)

 

Documentário, 2015/16, 25’, direção: André Sandino Costa
O filme é uma visita ao morro Vila Parque da Cidade no Rio de Janeiro, local em que foi rodado o documentário “Santo Forte” de Eduardo Coutinho. Dezoito anos depois, personagens do filme original e moradores que viviam no morro na época das gravações, conversam sobre sua participação no filme e sobre a vida no morro ontem e hoje.

FICHA TÉCNICA

Curadoria:
Anderson Moreira
Marcos Gonzales de Souza
Nezi Heverton C. de Oliveira

Produção:
Barbara de Castro
Daniel de Castro
Paula Furtado

Programação Visual:
Silmara Mansur
Marina Leitão Damin (site)