Sobre o Patrimônio

O patrimônio cultural fluminense é composto por todos os bens, materiais e imateriais, que possuam valores reconhecidos e, portanto, que têm importância como referenciais culturais e de identidade das populações. Dentre esses bens, podemos destacar edificações (urbanas e rurais), sítios arqueológicos, áreas urbanas ou naturais e cidades históricas até objetos do cotidiano, obras de arte, coleções científicas, documentos históricos, ritos e tradições,  expressões do fazer humano tradicional e da arte popular.

Para serem reconhecidos como patrimônio cultural é necessário que esses bens sejam representativos de grupos sociais. Podem ser bens de família, que são passados de geração em geração, até de populações inteiras que neles se vêm representadas. A eleição desses bens como patrimônio cultural, por meio do tombamento dos bens materiais e do registro dos bens imateriais, ou de outros instrumentos legais, é feita oficialmente por órgãos de proteção, como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (http://www.iphan.gov.br) para os bens de importância nacional; o Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (http://www.inepac.rj.gov.br) para os bens de importância para o Estado do Rio de Janeiro e os órgãos municipais de patrimônio, quando existirem, para os bens de importância local. Além disso, existem bens que não são protegidos oficialmente mas que, na mesma medida, são importantes para determinadas pessoas ou grupos sociais.

Oficial ou não, é necessário que esse patrimônio seja preservado para a manutenção de nossa identidade e o fortalecimento da nossa cultura, cada vez mais fragilizada. Muitas são as ameaças que acometem esses bens, mas o desconhecimento sobre eles ainda é a maior delas, pelo simples fato de que não valorizamos o que não conhecemos. Conhecer o patrimônio cultural e reconhecê-lo como elemento constituinte de nossa identidade cultural é o primeiro passo para a sua preservação e de uma sociedade saudável.